Todo mundo quer jogar, nem todo mundo quer mestrar. A vida de um mestre de mesa pode ser solitária, triste, amarga e frustrante, mas saiba que não está sozinho/sozinha. Eu mestro a 6 anos e vou compartilhar algumas dicas de RPG para mestres iniciantes, facilitando sua vida. 

Vamos lá.

5 dicas fundamentais de RPG para mestres iniciantes

Lembre-se que seus jogadores irão furar seu planejamento

A menos que tenha adquirido uma aventura pronta, que cobre todos os pontos de uma narrativa sem que precise se preocupar com isso, montar sua própria aventura de RPG vai sempre resultar em algum jogador querendo furar o roteiro propositalmente, ou fazendo isso sem querer. Não se preocupe nem se estresse demais com isso, faz parte do jogo e é fundamental para tornar a aventura mais dinâmica.

Caso queira saber como eu fiz para montar um RPG de mapa aberto e mantive a aventura rodando, clique aqui.

O pensamento metajogo vai acontecer, mas existem maneiras de reduzi-lo

É inevitável que os jogadores confundam-se com os personagens no início, especialmente para um grupo totalmente inexperiente no jogo.

A melhor maneira de evitar que isso ocorra é reduzindo estímulos externos, desligue celulares, fique em um ambiente onde é possível jogar sem muitas interrupções e use a ambientação do local ao seu favor.

Está jogando uma história de terror? Ponha velas e apague as luzes. Use sons ambientes de bancos da internet como deste site aqui. Interprete todos os seus PDM’s. Essa é, inclusive, uma das grandes graças de ser mestre de mesa, você é todo o mundo, e seus personagens não estão limitados.

Torne os PJ’s sempre os principais causadores de ação na história

Eu gosto de narrativas que envolvam um contexto maior do que os jogadores. Contudo, isso pode ser um tiro no pé se não tiver cuidado.

Grandes heróis como PDM’s podem acabar deixando os próprios jogadores como secundários na narrativa. Trate sempre de dar a esses grandes heróis um papel distante dos jogadores, envie-os para missões distantes, ponha-os com inimigos de mesmo tamanho e dê aos heróis uma missão de suporte fundamental.

Por exemplo: um príncipe quer tomar o castelo de seu pai, um rei maligno. O príncipe é um PDM guerreiro de nível 15, e invadirá com suas tropas pelo portão principal. O grupo de heróis PJ deve entrar pelos esgotos e abrir o portão, além de cumprir várias outras missões dentro do castelo.

Essa é uma maneira de torná-los importantes, ainda que não agentes diretos na narrativa principal “príncipe destrona rei”.

Tenha senso de humor

Ficar sentado 4 horas falando e usando a imaginação é legal, mas cansa a mente. Lembre sempre de manter o bom humor e aproveitar as situações bizarras para poder rir e relaxar um pouco. Mesmo em histórias de terror é essencial haver um momento de tranquilidade.

Veja os filmes de terror, por exemplo. Como regra básica, antes da tempestade vem sempre a calmaria, e depois também. Momentos de risada e graça servem para dar aos jogadores uma oportunidade para refrescar a mente e renovar as energias para outra aventura. 

Não corra com a história

Existem várias coisas legais e possíveis dentro de um RPG, mas lembre-se que elas precisam correr em um ritmo crível para que os jogadores aproveitem a experiência.

Por mais que diferentes regras e sistemas ofereçam diferentes possibilidades, é sua capacidade de narrar uma história que a torna valiosa para as outras pessoas. Para mais dicas de narrativa, clique aqui.

Gostou dessas dicas? Quer mais conteúdos assim? Assine nossa newsletter exclusiva com um curso de narrativas de RPG de mesa gratuito para mestres.