Os seus arcanos estão entediados com as mesmas aventuras de sempre? Saiba a melhor maneira de desenvolver uma história de RPG de mesa para magos e feiticeiros com essas dicas abaixo:

Tudo se resume a quem joga

Um ponto essencial de qualquer narrativa é desenvolvê-la ao redor dos seus personagens principais. 

Um erro que muitos mestres cometem, mesmo os mais experientes, é escolher um estilo de aventura pela aparência externa e desconsiderar quais são as características do grupo de jogadores. 

Falando em termos de D&D 3.5, que eu conheço bem, um grupo de feiticeiros draconianos neutro ou caótico faria pouco esforço para salvar um nobre de uma tentativa de assassinato descoberta por acaso. Eles precisariam de um contrato ou uma razão pessoal. 

Por outro lado, um mago élfico não escolheria dizimar toda uma vila de camponeses só para conseguir uma joia e derrotar um lich – pelo menos, não sem um bom motivo. 

Independente do resultado final, é necessário que haja uma construção válida para os personagens, e isso vai depender da confiança e conforto dos jogadores em seguir uma narrativa.

Quando os jogadores e seus respectivos personagens estão querendo sair do seu planejamento, muito provavelmente suas histórias de RPG de mesa para magos e feiticeiros não leva as características do grupo em consideração. 

Sejam eles necromantes, elementais, conjuradores, invocadores, adivinhadores, encantadores ou qualquer outra classe, a narrativa deve seguir um princípio básico de 3 atos:

  • 1° ato: zona de conforto, o personagem começa usando uma habilidade conhecida para resolver um problema pequeno;
  • 2° ato: o desafio: falta uma habilidade específica ou item para o personagem concluir a missão;
  • 3° ato: o retorno: o personagem tem todas as habilidades necessárias para enfrentar o problema e o vilão. 

Para saber mais sobre como construir um bom enredo, eu recomendo este artigo.

O que é essencial em uma história de RPG de mesa para magos?

Magos e feiticeiros, na edição 3.5, precisam de sabedoria e inteligência. Isso significa que aventuras onde há maior investigação e uso dessas características colocam os jogadores para conjurar mais do que bolas de fogo e elementais menores. 

Assim, dramas políticos e aventuras de investigação (como detetives ou policiais mágicos) variam o tema e ajudam a criar um respiro entre histórias mais épicas. 

Caso queira mais dicas de como criar boas narrativas para jogadores de RPG, acesse nossa categoria com todos os artigos sobre o assunto ou acesse abaixo algumas de nossas recomendações: